domingo, 18 de janeiro de 2009

Demais

“Maysa — Quando fala o coração”, minissérie que teve seu ultimo capítulo apresentado na última sexta-feira (16), falou mesmo ao coração, como o subtítulo propunha.

Em um roteiro muito bem amarrado pelo sempre ótimo Manoel Carlos, e por Ângela Chaves, a história não se perdeu em nenhum momento e não caiu em facetas burocráticas, felizmente não foi frio.

Foi uma minissérie que por não se prender á uma narrativa linear, trouxe ao vídeo a desordem da própria Maysa, trouxe ainda uma personagem humana, de verdade, com sentimentos, sentimentos esses que muitas vezes a intempestiva Maysa não demonstrava com tanta facilidade.

O filho, Jayme, na direção com certeza teve o cuidado de aliviar a “barra” de uma figura já tão polêmica e julgada como Maysa, e trouxe mais sutileza a ela, numa forma linda de homenageá-la. Mas foi corajoso e demonstrou que Maysa era Maysa, e ponto.

Larissa Maciel, a Maysa, deu show de interpretação e esteve ótima o tempo todo, foi Maysa sem perder a personalidade, deixando sua marca registrada. Destaque também para Eduardo Semerjian, o André Matarazzo, firme, claro, um ótimo ator. Destaque ainda para o Mateus Solano, o galanteador Ronaldo Bôscoli, divertido e cruel. Perfeito.
O elenco todo esteve ótimo, deram aula de interpretação e emoção.

A minissérie teve ainda mais um grande mérito: trouxe a obra da grande Maysa para o “cartaz”. Quem já conhecia lembrou com nostalgia das lindas canções, e quem não conhecia passou a admirar o trabalho desta que com certeza está no rol das grandes cantoras do Brasil. O gênio de Maysa teve menor importância que a obra de Maysa.

E ainda fica a reflexão para os críticos da personalidade da cantora: Jayme o filho perdôo a mãe, e isso é o mais importante. Quem somos nós para julgá-la?

Arrisco-me a dizer que esta foi à melhor minissérie que eu já vi.
De verdade, tocou meu coração.



video

5 comentários:

Jalile* disse...

bom eu ouvi falar sobre a minissérie mas particularmente não assisti,sei da história de Maysa tbm,e como vc disse ju qm somos nós pra julga-la né...
esperando o proximo post...

bjonsss

Lucas disse...

keridoooo passei por aki e naum pude deixa de comentar.. foi tudo..rsrsrsrs...pena q perdi o ultimo capitulo..auhauauha.. mais ta valendo.. foi mto linda!..
bjussss

THOMAS MARINHO disse...

Júlio,

Muito lindo e sensível tudo o que disse! Maysa também me tocou fundo, no coração, na alma! E, como você sabiamente disse, não devemos julgá-la, afinal, cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é!

Forte Abraço.
Thomas

Victória Cássia disse...

Realmente, foi muito emocionante a minissérie. Ainda mais quando se juntam no sofá da sala, pra assistir, quem é 'da época' de Maysa fica 'aaah... então foi assim que aconteceu aquilo', enquanto que os mais novos se admiram com a personalidade e o talento (ambos em grande dimesão) da artista. Sublime.

Tava com saudade de passar por aqui ^^

xêro.

Paula disse...

Oiii Julio ..
Nao posso deixar de relatar a voce e a todos que acompanham seu Blog a estoria que veio a tona em minha casa com a exibiçao da minisserie Maysa...Primeiro que bacana poder acompanhar um pouco voces ( Julio E Thomas ) atraves deste, já que devido o fato de nao mais estudarmos juntos , minha vida tomou rumo diferente e nao mais temos contato...um beijo enorme e saudades.
Quanto a Maysa, minha mae me disse que meu avô a conhecia da Boemia daqueles tempos... antes mesmo de se tornar famosa, e que por diversas vezes isso causou discordia entre ele e minha avó,já depois do sucesso, autografava alguns discos para ele e minha avó quebrava tudo de ciumes....
É isso..beijo enorme